sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Vamos falar de política?

Não gosto de discutir política com qualquer um.
Primeiro: porque pouco percebo e não quero perceber menos. Segundo: porque nem sempre se sabe discutir com respeito e já se sabe que em política é como no futebol (cada um puxa para seu lado).
Mas hoje, talvez por ser o último dia da campanha, apercebi-me de algumas coisas (que tenho vindo a assimilar, obviamente).

Estava a... nem sem bem a fazer o quê... a arrumar compras ou assim... e a ouvir a Rádio Renascença e começa lá a lengalenga da campanha...
E dei por mim a pensar (não vou dizer nomes porque não quero ferir susceptibilidades): não acho que o cargo de Presidente da República deva ser atribuído "a qualquer um". As pessoas tem direito às suas escolhas. e quando os próprios candidatos querem agradar a gregos e troianos, penso que é mau sinal. Primeiro porque revela falta de carácter. Segundo porque não revela estima. São as diferenças que nos enriquecem, mas todos sabemos que há diferenças que funcionam menos bem. E é por isso que não devem ser levadas em conta.
Também não me parece bem ser de determinada ideia mas depois acatar algo contra o que defende só porque determinadas pessoas assim o querem. Enfim.
Não se pode esquecer ainda que o perfil de Presidente da República, infelizmente, não pode ser o de alguém 100% .... não encontro adjectivo.... mas não pode ser totalmente bondoso, sincero... Tem de haver um pouco de subtileza... Não sei explicar...
E depois, claro, há que manter o nível e não andar por aí a atacar. O constante ataque revela uma falta de segurança em si próprio. Estou a divagar um pouco, eu sei... Mas durante os últimos dias andei a pensar muito a sério nestas eleições e sei em quem vou votar.

Porque o Presidente da República deve ser "Um senhor!" (Isto só porque não há mulheres a concorrer, senão haveria de ser diferente, certo? ;))

2 comentários:

Cor de Chá disse...

Olha, Ana. Concordo contigo. Eu sempre soube em que devia votar. Sim, um presidente da República deve ser um senhor. Um exemplo para o país e para o mundo. De seriedade, honestidade, integridade, tenacidade, carácter, personalidade (que é o que falta a muito boa gente).
Sim, um chefe de Estado não pode ser qualquer um. E sobretudo, não deve ter falta de chá ;)

Lúcia Carvalho disse...

Querida desafio de Fim de Semana no meu blog, participa. beijinhos